O Rouxinol e a Rosa



"Cada um, dá o que tem no coração, cada um recebe com o coração que tem!"

Era uma vez, um Rouxinol que vivia em um jardim. No jardim havia uma casa, cuja janela se abria todas as manhãs. Na janela, um jovem, comia pão, olhando as belezas do jardim. Sempre deixava cair farelos de pão, sobre a janela. O Rouxinol, comia os farelos, acreditando que o jovem os deixava de propósito para ele. Assim criou um grande afeto, pelo jovem que se importava em alimentá-lo, mesmo com migalhas.

O jovem um dia se apaixonou. Ao se declarar a sua amada, ela disse que só aceitaria seu amor, se como prova, ele desse a ela, na manhã seguinte, uma rosa vermelha. O jovem, percorreu todas as floriculturas da cidade, sua busca foi em vão, não encontrou nenhuma rosa vermelha para ofertar a sua amada.

Triste, desolado, o jovem foi falar com o jardineiro da casa onde vivia. O jardineiro explicou a ele, que poderia presenteá-la com Petúnias, Violetas, Cravos, menos Rosas. Elas estavam fora de época, era impossível conseguí-las, naquela estação.

O Rouxinol, que escutara a conversa, ficou penalizado pela desolação do jovem, teria que fazer algo para ajudar seu amigo, a conseguir a flor. Assim, a ave procurou a Coruja que era sábia e conselhereira entre as aves, que assim falou:

- Na verdade, você pode conseguir uma Rosa Vermelha para teu amigo, mas o sacrifício é grande, e pode custar-lhe a vida! Conheço apenas uma forma...

- Não importa respondeu a ave. O que devo fazer?

- Bem, você terá que se emaranhar em uma roseira, e ali cantar a noite toda, sem parar, o esforço é muito grande, seu peito pode não agüentar.

- Assim farei, respondeu a ave, é para a felicidade de um amigo!!!!

Quando escureceu, o Rouxinol, se emaranhou em meio a uma roseira, que ficava frente a janela do jovem. Ali, se pôs a cantar, seu canto mais alegre, precisava caprichar na formação da flor.

Um grande espinho, começou a entrar no peito do Rouxinol, quanto mais ele cantava, mais o espinho entrava em seu peito.

O rouxinol não parou, continuou seu canto, pela felicidade de um amigo, um canto que simbolizava respeito, gratidão, amizade, carinho.

Um canto de doação!

Do peito da pobre ave, começou a escorrer sangue, que foi se acumulando sobre o galho da roseira, mas ela não se deteve nem se entristeceu.

Pela manhã, ao abrir a janela, o jovem se deteve diante da mais linda Rosa vermelha, formada pelo ato de sacríficio da ave, nem questionou o milagre, apenas colheu a Rosa.

Ao olhar o corpo inerte da pobre ave, o jovem disse:

- Que ave estúpida!!!! Tendo tantas árvores para cantar, foi se enfiar justamente em meio a roseira que tem espinhos...

Cada um, dá o que tem no coração, cada um recebe com o coração que tem...

Autor não mencionado

Comentários do Professor e Palestrante Paulo Barreto
Lembre-se de ficar mais tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre.
Lembre-se dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.
Lembre-se de dizer 'eu te amo' à sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame...se ame muito.
Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro.
Por isso, valorize sua família e as pessoas que estão ao seu lado, sempre.
Pense nisso e boa semana!!!
Gostou!!!
Poste uma mensagem!!!

Comentários

  1. Nossa msg linda adorei....são msg assimm que faz toda diferença!!!! Continue enchendo nossos dias com suas msg....Elvira Com. Venda Mais

    ResponderExcluir
  2. Olá Elvira, eu que agradeço pelo carinho e leitura dos artigos, mensagens e frases do meu blog!!!
    Desejo tudo de bom sempre na sua vida!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pela participação!!!

Postagens mais visitadas deste blog

A lenda dos Dez Pergaminhos

O prego e o Martelo

Parábola Hindu – Os Cegos e o Elefante