Pior que tá pode ficá?

Escrito por Luciano Pires em Qui, 16 de Setembro de 2010 19:52


- Pai, uns amigos meus estão de saco cheio. E vão votar no Tiririca!

Quando a Gabi, minha filha, disse essa frase durante o jantar, um filme se passou em minha mente. Já se foram 21 anos desde que eu – aos 32 anos de idade – exerci meu direito de votar para Presidente pela primeira vez. Com as eleições de Fernando Collor em 1989, FHC em 1994 e 1998 e Lula em 2002 e 2006, só tive cinco oportunidades para praticar o voto. Parece pouco, não é? E este é o primeiro ano que a Gabi vai votar.

Expliquei que votar no palhaço Tiririca não é protesto coisa nenhuma. Nem mesmo gozação. Tiririca estava em seu canto quando um partido oportunista à cata de gente conhecida que rendesse votos, foi procurá-lo. Às favas com ideologias, valores e convicções, queremos é voto! Quem votar no Tiririca (e dizem que ele terá dois milhões de votos!) estará elegendo não só o palhaço, mas um monte de desconhecidos. Se você quer saber como isso funciona, leia em http://www.portalcafebrasil.com.br/forum/politica/com-quantos-votos-se-elege-um-deputado.

Votar no palhaço, na cantora, no boxeador ou no ex-jogador de futebol, assim como votar nulo ou em branco, não é protestar. Só é possível protestar “contra tudo que está aí” se você votar em gente decente. E se você não sabe quem é decente, entenda uma coisa: o problema é seu! Não adianta dizer que nada presta, que todo candidato é bandido. Isso é estupidez. Faça como você faz quando quer comprar um automóvel: pesquise, vá atrás, pergunte, compare. Existem centenas ou milhares de candidatos bons, honestos e dispostos a limpar a lama da política. São esses que merecem os nossos votos de protesto. De novo: se você não sabe quem são esses candidatos, o problema é seu!

E completei: Gabi, eleições são o momento em que você precisa seguir seus valores e convicções. Você tem vontade própria, não é uma máquina a serviço de um partido ou de uma ideologia. Você tem direito a escolher o que julgar melhor para você e para o país. Mas faça essa escolha de maneira consciente. Examine todos os lados. Cuidado com as unanimidades e com as certezas absolutas. Cuidado com quem promete o céu no futuro provocando o inferno no presente. Cuidado com quem transforma convicções políticas em fervor religioso. E jamais - eu disse JAMAIS! - troque sua liberdade por um punhado de dinheiro no bolso.

E finalizei: quando diante do bombardeio de notícias e opiniões, faça cinco perguntinhas:

1. Quem criou essa mensagem?
2. Que técnicas criativas foram usadas para chamar minha atenção?
3. Se eu não fosse quem sou, não morasse onde moro, não tivesse a educação que tive, como é que eu entenderia essa mensagem?
4. Que valores, estilos de vida e pontos de vista estão representados ou foram omitidos dessa mensagem?
5. Por que essa mensagem está sendo enviada?

Essas cinco perguntas criam um estado de alerta para as armadilhas marqueteiras dos profissionais de comunicação a serviço dos partidos e candidatos. Com elas não garantimos nada, mas ajudamos a fazer com que “pior que tá num fique.”

E quer saber? Acho que cumpri meu papel.

Voto da Gabi o Tiririca não terá!

Comentários do Professor e Palestrante Paulo Barreto

Eu também estou fazendo a minha parte Luciano Pires divulgando no meu blog

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A lenda dos Dez Pergaminhos

O prego e o Martelo

Parábola Hindu – Os Cegos e o Elefante