Aprendendo...

Bom dia!!!

Recebi este e-mail de um amigo da Prodesp (Luciano Pacheco) e repasso na íntegra para você.
Faça uma reflexão e pense nisso!!!

Tudo na vida é um aprendizado, estamos onde realmente temos que estar. Se formos inteligentes aprenderemos; se formos caridosos ajudaremos; se formos displicentes disfarçaremos.

Enfim a vida é uma grande escola, a qual somos moldados a ter consciência e dignidade. É uma pena que a consciência coletiva esteja adormecida, pois então a natureza se encarrega de acordá-la. Por isso precisamos ter e ser parte desta natureza divina e vibrar muito por nosso planeta, conseqüentemente por todos nós, sem exceção. Este é o verdadeiro amor!!! Façamos aquilo que nos cabe e que nosso coração diz, não por vaidade mas por nós. (Luciano Pacheco - Prodesp)


Aprendendo...

JAPÃO

Quando voltei ao Brasil, depois de residir doze anos no Japão, me incumbi da difícil missão de transmitir o que mais me impressionou do povo Japonês:

kokoro.
Kokoro ou Shin significa coração-mente-essência.

Como educar pessoas a ter sensibilidade suficiente para sair de si mesmas, de suas necessidades pessoais e se colocar à serviço e disposição do grupo, das outras pessoas, da natureza ilimitada?

Outra palavra é gaman: aguentar, suportar. Educação para ser capaz de suportar dificuldades e superá-las.

Assim, os eventos de 11 de março, no Nordeste japonês, surpreenderam o mundo de duas maneiras.

A primeira pela violência do tsunami e dos vários terremotos, bem como dos perigos de radiação das usinas nucleares de Fukushima.

A segunda pela disciplina, ordem, dignidade, paciência, honra e respeito de todas as vítimas.

Filas de pessoas passando baldes cheios e vazios, de uma piscina para os banheiros.

Nos abrigos, a surpresa das repórteres norte americanas: ninguém queria tirar vantagem sobre ninguém. Compartilhavam cobertas, alimentos, dores, saudades, preocupações, massagens. Cada qual se mantinha em sua área. As crianças não faziam algazarra, não corriam e gritavam, mas se mantinham no espaço que a família havia reservado.

Não furaram as filas para assistência médica – quantas pessoas necessitando de remédios perdidos- mas esperaram sua vez também para receber água, usar o telefone, receber atenção médica, alimentos, roupas e escalda pés singelos, com pouquíssima água.

Compartilharam também do resfriado, da falta de água para higiene pessoal e coletiva, da fome, da tristeza, da dor, das perdas de verduras, leite, da morte.

Nos supermercados lotados e esvaziados de alimentos, não houve saques.

Houve a resignação da tragédia e o agradecimento pelo pouco que recebiam.

Ensinamento de Buda, hoje enraizado na cultura e chamado de kansha no

kokoro: coração de gratidão.

Sumimasen é outra palavra chave. Desculpe, sinto muito, com licença. Por vezes me parecia que as pessoas pediam desculpas por viver. Desculpe causar preocupação, desculpe incomodar, desculpe precisar falar com você, ou tocar à sua porta. Desculpe pela minha dor, pelo minhas lágrimas, pela minha passagem, pela preocupação que estamos causando ao mundo. Sumimasem.

Quando temos humildade e respeito pensamos nos outros, nos seus sentimentos, necessidades. Quando cuidamos da vida como um todo, somos cuidadas e respeitadas.

O inverso não é verdadeiro: se pensar primeiro em mim e só cuidar de mim, perderei. Cada um de nós, cada uma de nós é o todo manifesto.

Acompanhando as transmissões na TV e na Internet pude pressentir a atenção e cuidado com quem estaria assistindo: mostrar a realidade, sem ofender, sem estarrecer, sem causar pânico. As vítimas encontradas, vivas ou mortas eram gentilmente cobertas pelos grupos de resgate e delicadamente transportadas – quer para as tendas do exército, que serviam de hospital, quer para as ambulâncias, helicópteros, barcos, que os levariam a hospitais.

Análise da situação por especialistas, informações incessantes a toda população pelos oficiais do governo e a noção bem estabelecida de que “somos um só povo e um só país”.

Telefonei várias vezes aos templos por onde passei e recebi telefonemas.

Diziam-me do exagero das notícias internacionais, da confiança nas soluções que seriam encontradas e todos me pediram que não cancelasse nossa viagem em Julho próximo.

Aprendemos com essa tragédia o que Buda ensinou há dois mil e quinhentos anos: a vida é transitória, nada é seguro neste mundo, tudo pode ser destruído em um instante e reconstruído novamente.

Reafirmando a Lei da Causalidade podemos perceber como tudo está interligado e que nós humanos não somos e jamais seremos capazes de salvar a Terra. O planeta tem seu próprio movimento e vida. Estamos na superfície, na casquinha mais fina. Os movimentos das placas tectônicas não tem a ver com sentimentos humanos, com divindades, vinganças ou castigos. O que podemos fazer é cuidar da pequena camada produtiva, da água, do solo e do ar que respiramos. E isso já é uma tarefa e tanto.

Aprendemos com o povo japonês que a solidariedade leva à ordem, que a paciência leva à tranquilidade e que o sofrimento compartilhado leva à reconstrução.

Esse exemplo de solidariedade, de bravura, dignidade, de humildade, de respeito aos vivos e aos mortos ficará impresso em todos que acompanharam os eventos que se seguiram a 11 de março.

Minhas preces, meus respeitos, minha ternura e minha imensa tristeza em testemunhar tanto sofrimento e tanta dor de um povo que aprendi a amar e respeitar.

Havia pessoas suas conhecidas na tragédia?, me perguntaram. E só posso dizer : todas. Todas eram e são pessoas de meu conhecimento. Com elas aprendi a orar, a ter fé, paciência, persistência. Aprendi a respeitar meus ancestrais e a linhagem de Budas.

Mãos em prece (gassho)

Monja Coen

Comentários

  1. Grande Prof. Paulo Barreto!
    Certa vez, ouvi um grande empresário dizer o seguinte: "Administrar não é difícil, difícil é lidar com gente!" Isso ha uns 15 anos...que péssimo exemplo vindo de um lider não acha professor?
    Este empresário era nada mais nada menos, que o Presidente de na época a 3ª maior empresa do segmento de ferro ligas do mundo, a Cia Paulista de Ferro Ligas, que acabou se desfazendo e sendo vendida para a Vale do Rio Doce, restanto pouquíssimas unidades (por conta da má administração de seu sucessor - o herdeiro).
    Como o exemplo citado nos seus textos, a do Mestre Jesus, tudo o que um lider precisa, é ser HUMANO, OBSERVADOR, ter ÉTICA, SENSIBILIDADE e CRIATIVIDADE. É uma pena que ainda existam empresas, cujos lideres ainda têm a mentalidade fixada numa forma arcaica de administrar.
    Muito bom o seu Blog Prof. Paulo Barreto, alguns de seus comentáris lembram Max Gehringer da CBN.
    Abraços e sucesso.
    Janete (Aluna da UNIP - Curso COMEX)

    ResponderExcluir
  2. Aaaaaaaaa professor se você soubesse da minha felicidade de poder saber que ainda tenho o meu "amigo virtual" rs...

    Porque é muito bom conversar com você e a marca que você deixou é enorme!!!!
    Um professor assim é raro, lógico que muitos outros passaram pela minha história e deixaram suas marcas, cada um com seu geito especial... mas muitos ainda passaram ... pois não quero deixar de estudar!

    Hoje eu sou grata por ter um professor que fez a diferença, com toda a sua motivação!

    E atualmente estou como assistente de RH ... cursando inglês na Wise Up.. e procurando um novo emprego que me dê mais oportunidades de crescimento, pois onde estou atualmente é uma empresa de pequeno porte, e eu quero sempre mais...!
    Mas pra chegar lá depende de mim.

    Enfim, a minha inspiração de motivação é você rs!!!

    Obrigada por tudo, um excelente dia!

    Beijos da sua aluna que nãoooooo te esquece Mari ^^

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ola Janete e Mari ^^ (Aluinas da UNIP Campus Tatuapé)

    Primeiramente muito obrigado pelo feedback, a gratidão é uma sensação tão agradável...Cresce onde sementinhas são lançadas, floresce sob o sol. Como professor universitário e palestrante a cada dia que passa sinto que estou no caminho certo, multiplicando valores e crescendo novas sementes para o nosso país.
    Quase todos temos motivos para a gratidão, quando pessoas em nossas vidas têm tempo para partilhar e nos fazer saber por bons atos que nós estamos em seus pensamentos e que elas se importam. As coisas que você faz, com tanta compreensão e bondade, me enchem de gratidão por ter a sua amizade. Obrigada, por se importar comigo, isso ilumina o meu viver."

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pela participação!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Parábola Hindu – Os Cegos e o Elefante

O Caderno - Letra da Música do Padre Fábio de Melo

O prego e o Martelo