Quem tem medo da rotatividade

ARTIGO DA SEMANA



Nestes anos dedicados ao desenvolvimento de líderes e empresas, tenho acompanhado situações das quais antes mal ouvíamos falar, mas que hoje parecem fantasmas dentro das organizações. Umas delas – e talvez a mais alarmante – é a rotatividade, ou seja, o giro de demissões e admissões de uma empresa. Os índices dessa prática, também conhecida como turnover, tem me espantado.

Segundo a pesquisa conduzida pela DBM Consultoria (especializada na gestão do capital humano) com 770 profissionais de 12 áreas distintas, 45% dos entrevistados manifestaram a intenção de mudar de empresa em até três anos. Grande parte dos profissionais entrevistados considera de três a cinco anos o tempo ideal para permanecer em uma empresa. Apenas 10% dos colaboradores com idade superior a 63 anos julgam esse intervalo adequado, índice que aumenta para 63,34% entre os executivos na faixa de 21 a 27 anos.

As ofertas de trabalho cresceram de forma avassaladora. Profissionais de algumas áreas são muito disputados por empresas. E, no meio dessa “caça aos talentos”, venho percebendo a deficiência das organizações em criar estratégias para reter os bons profissionais. Mas, por outro lado, também vejo uma total falta de comprometimento desses profissionais com as empresas e, principalmente, com as suas carreiras.

E você sabe qual é a chave para o comprometimento? Ver sentido no seu trabalho! Qual é o propósito da sua vida? O que você realmente quer fazer? Aonde o seu trabalho poderá levá-lo daqui a cinco ou dez anos? Será que é realmente preciso buscar essa resposta em outra empresa? Se você se esforçar, não é capaz de conquistar tudo o que deseja no local em que está?

Quando você descobrir essas respostas, passará a se comprometer com o seu trabalho, pois tudo começará a fazer sentido, e como consequência, os resultados aparecerão – para você e para a sua empresa. Não adianta pular de emprego em emprego. Se o que você faz não tem sentido nem para você, como querer buscar esse sentido do lado de fora?

Coragem, responsabilidade, preparo e planejamento são competências fundamentais para decidir o que você quer de verdade! E, ao decidir, comprometa-se com as suas decisões. A responsabilidade pelos resultados é somente sua. Não adianta apenas exigir, é preciso também fazer a sua parte. Entregue-se ao seu trabalho! Utilize todo o seu potencial! A realização e o sucesso estão em um só lugar: dentro de você!

Com essas dicas, prepare-se para ser o profissional que as empresas procuram e se esforce para ser o profissional que as empresas precisam!

Alexandre Prates é especialista em liderança, desenvolvimento humano e performance organizacional. É também master coach, palestrante, autor do livro A reinvenção do profissional – Tendências comportamentais do profissional do futuro, fundador e sócio da ICA – Instituto de Coaching Aplicado – e autor do método Coaching inteligência potencial. www.ica.com.br


PARA PENSAR

“Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê”
Monteiro Lobato

Texto Júlio Clebsch (Editor da revista Liderança)

Mande suas ideias ou contribua com sugestões, enviando sua mensagem para: pbarreto.consultoria@gmail.com

Visite o meu site http://www.paulobarretoi9consultoria.com.br/, que hoje é destaque no que diz respeito a motivação, liderança, negociação, gestão de pessoas, marketing pessoal e palestras que colaboram para o crescimento profissional.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A lenda dos Dez Pergaminhos

O prego e o Martelo

Parábola Hindu – Os Cegos e o Elefante